ID – LOCAL DE CRIME

Nas investigações de crimes em série, o estudo e análise do local onde eles ocorreram são fundamentais para o planejamento da estratégia de trabalho policial. Com essa metodologia de trabalho saberemos mais sobre o indivíduo que está em ação, seja pela observação do lugar o crime ocorre, seja por onde a vitima é desovada.

O avanço dos estudos criminalísticos nos permite, hoje, a utilização de programas digitais capazes de, a partir desses dados, indicar a provável zona de moradia ou de trabalho do criminoso.

Criminosos em série sempre têm um padrão de comportamento, seja na escolha da vítima, seja na escolha do local em que cometerá o crime ou deixará o cadáver. A análise do “perfil geográfico” de uma série de crimes através da matemática, geometria e afins nos mostrará onde procurar o autor dos crimes. Países como EUA, Canadá, Austrália e Inglaterra já se utilizam dessa metodologia há pelo menos uma década, e ela é aplicada no Brasil, pelo Sistema de Mapeamento de Suspeitos desenvolvido pela Coordenadoria de Análise e planejamento da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo.

Depois de colocarmos os “alfinetes no mapa”, como vemos nos filmes, podemos partir de algumas premissas estatísticas interessantes. Criminosos patrimoniais geralmente andam distâncias maiores do que os que cometem crimes contra a pessoa e, quanto mais alto o valor envolvido no crime, mais longe da casa do criminoso ele é cometido. Nos crimes em série contra a pessoa, como os estupros e homicídios, o responsável precisa conhecer bem a área de ação ou de desova para não ser identificado e preso. Se a investigação conectar os crimes de mesma autoria com eficiência, identificando a ação de um serial killer, a utilização do método pode rapidamente incrementar o trabalho policial. O problema é que muitas vezes a investigação se dá as avessas, ou seja, a polícia não está procurando o autor de uma série de crimes e só fica informada que isso esta acontecendo quando, por destino, o criminoso é preso pelo último crime a confessa os demais, seja porque aí a polícia descobre as similaridades ou por outro motivo qualquer.

Logo no primeiro mês desse ano foi preso, em São Paulo, Eduardo Sebastião do Patrocínio, 42 anos. Trata-se de serial killer que confessou, até esse ponto das investigações, ter assassinado cinco mulheres entre dezembro de 2010 e janeiro de 2013. Deixou o corpo de todas elas muito perto da esquina de sua própria casa, mas os assassinatos não estavam conectados. Todas as vítimas eram mulheres de programa e usuárias de drogas e infelizmente, nesses casos, não existe pressão da mídia ou da sociedade para que esse tipo de caso seja rapidamente solucionado, seja pelo gênero da vitima, seja por sua condição social.

Está na hora de desenvolver um banco de dados que possa ser abastecido com informações de modus operandi de cada crime violento ocorrido, porque só encontra algo aquele que sabe o que procura. Ou vamos sempre ter de contar com a sorte…

Esta entrada foi publicada em Sem categoria. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta a ID – LOCAL DE CRIME

  1. Jose Wandelei Wagner disse:

    Procuro histórico de homicídios que ajudei a policia na década de 1970 em Tatuí (SP) e em Porangaba (SP),mas não sei como conseguir .Ao todo são 27 casos.Onde dois criminosos um serial killer que matava velhinhos, e nessas cidades matou 2 velhinhos e 4 crianças envenenadas e em outras localidades outras 8 pessoas, e um matador de aluguel responsável por 21 mortes conhecidas .Estes se uniram para me matar, e me (CHAMARAM DE MENINO DEMÔNIO em juízo,acreditando explicar seus atos ) , por descobrir as mortes e acreditando também que eu seria uma testemunha muito forte contra eles.Na época eu era criança e ocorreu em segredo de justiça,como posso conseguir uma copia do processo depois de tantos anos.A policia atual não tem boa vontade ou conhecimento para isso,e estes casos podem me ajudar atualmente contra criminosos atuais?.Se souber por favor me ajude.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *